Thursday, November 09, 2006

carta de um leitor

ainda há quem ache que falta dar um toque de eruditismo no tubus..eu pessoalmente já achava este blog bem intelectual...obrigado pirras.

Mil novecentos e oitenta e tal… (um épico)

Uma tribo de catraios desleixada
Em magotes de trapos, velhas tralhas
Vai descendo, ansiosa, pela estrada
Procurando no passo não dar falhas

Diz o mais velho, é certo não chover
E o mais novo, periclitante, em perna curta
Que o mais certo é de vagas não haver;
E, sem paciência, a maralha não o escuta

E em tumulto, chegados ao dourado
Calados ficam na miragem do azul
Nem vagas, nem ondinhas, está castardo!
E o melhor era ter rumado a sul.

Inquietos, com nervoso miudinho,
entrar é certo, e agora tanto faz, vão
rebuscando as ditas tralhas de mansinho
demoram tempo na sua última oração

e enfrentando Adamastor tão furioso
em grandes tralhos de aprendiz iniciado
o mar respeitam, enfim, licencioso.
depois de ter passado o mau bocado.

(Hoje as coisas são diferentes.
Mas, nem por isso, tão diferentes.)

P.B.L

http//o-individuo.blogspot.com

5 comments:

andré said...

é o maior !
lindo poema pirras .

scs said...

Adorei!
Um beijinho ao Pedro

pas said...

...não pares gostei...
abraço..

8 e coisa 9 e tal said...

muito bem!
venham mais postas 'intelectuais' que a malta grama e aplaude de pé!

vai lá vai... said...

palavras para quê... poeta português... abraço